Dial P for Popcorn: 127 HOURS (2010)

quarta-feira, 23 de fevereiro de 2011

127 HOURS (2010)


Na divisão que eu e o Jorge fizemos, em relação aos principais filmes na corrida aos Oscars deste ano, 127 Hours foi possivelmente a escolha que mais gozo me deu preparar. Para mim, é muito fácil aceitar um novo filme de Clint Eastwood ou dos irmãos Coen. Sou um enorme fan de ambos e, como tal, a probabilidade de vir aqui ao blogue criticar o seu trabalho é muito pequena.


No entanto, com Danny Boyle a história é outra. Em primeiro lugar, desde o início que olhei de lado para este 127 Hours: considerava-o, não só pelo trailer como pela amostra de Slumdog Millionaire, mais um super-inflacionado blockbuster de Hollywood. Em segundo, porque (e pese embora Boyle tenha feito Trainspotting) detestei o Slumdog e considero-o, ainda hoje, uma história de um nível bastante medíocre. E por último, não esperava que uma história de um tipo preso a uma pedra durante 127 horas fosse particularmente interessante.


A verdade é que Danny Boyle, James Franco e este 127 Hours me surpreenderam. As minhas expectativas em relação ao filme eram baixas (de todos os nomeados, só The Kids Are All Right, que não vi nem tenciono ver, me despertava menos curiosidade). E seria muito fácil chegar aqui e começar a inúmerar diversas razões para criticar o novo trabalho de Danny Boyle. Seria demasiado fácil: 127 Hours é um filme forçosamente demasiado parado. Não tem como não o ser. No entanto, partindo deste handicap, poderemos observar 127 Hours de um outro ponto de vista.


O argumento não é fenomenal, mas é intenso. O papel de James Franco não é memorável nem marcante, mas revela uma paixão e uma entrega digna de um actor maduro, com claras perspectivas de um grande papel dentro de poucos anos. O trabalho de Danny Boyle é claramente o melhor de 127 Hours: Adoro a forma como Boyle filma, os planos impossíveis que consegue inventar e que garantem uma panorâmica totalmente inovadora e ímpar na maneira como toda a história nos é apresentada. Já em Slumdog Millionaire, este havia sido o único ponto positivo que consegui retirar de toda a história.


Mas 127 Hours é claramente melhor do que Slumdog Millionaire. Não é uma história que garanta tanta adesão por parte do grande público como o fez Slumdog, mas vai ser certamente uma história que deixará muitas pessoas rendidas a um ideal de vida, a uma força que ultrapassa as capacidades de um comum mortal: Aron Ralston (James Franco) é um jovem adepto da adrenalina e da Natureza. Habituado a grandes desafios, entrega os seus tempos livres à descoberta dos lugares mais reconditos do Grand Canyon, local que adora e conhece como a palma da mão.


É na tentativa de explorar o Blue John Canyon que algo inesperado lhe acontece: Enquanto penetra por entre as rochas, uma pedra solta-se e este acaba por ser arrastado para as profundidades dos rochedos, escondido do mundo e com o braço direito imobilizado. 127 Hours retrata os momentos de desespero que Aron viveu enquanto esteve preso, entre a vida e a morte, e a forma como corajosamente enfrentou as adversidades.

É sem dúvida uma história que dificilmente se esquece, e um indivíduo como uma bravura digna de poucos. É isso que torna 127 Hours, um filme monótono, numa história interessante e num bom momento de cinema.


Nota Final: B+

Trailer:



Informação Adicional:
Realização: Danny Boyle
Argumento: Simon Beaufoy e Danny Boyle
Ano: 2010
Duração: 94 minutos

3 comentários:

DiogoF. disse...

Eu acho que este filme é mau em tudo xD

Tripas disse...

É bem realizado, ao nivel da imagem e som

Grande interpretação do Franco.

Não se passa é absolutamente nada no filme, podiam ter metido um enredo qualquer em flashbacks.

A publicidade toda dentro do filme também irrita.

João Samuel Neves disse...

Eu admito que o trailer do filme o sobrevaloriza. Quem acreditar na publicidade e divulgação do filme, claramente, que come gato por lebre ahahahah!