Dial P for Popcorn: A Morte da 7ª Arte (Variação Hooper)

sexta-feira, 18 de março de 2011

A Morte da 7ª Arte (Variação Hooper)

"O Dial P For Popcorn tem o prazer de vos apresentar o nosso mais recente colaborador! Axel Ferreira, nosso colega e amigo, aceitou o convite para a elaboração de uma crónica quinzenal. Com uma visão peculiar e distinta da realidade cinematográfica, A Morte da 7.ª Arte deixa apenas uma promessa: Ninguém a poderá evitar."


Coitado do Sr. Wilde


Esta é uma crónica dedicada ao cinema e, por essa razão se torna um bocado degradante falar deste tema. Agora que o tema já passou de moda e já ninguém fala disto, tem um quê de mais interessante voltar à carga com ele. Eu sei que esta é uma crónica sobre a 7ª arte, mas nesta semana vou falar de algo que não lhe está muito ligado: os Oscars. E vocês perguntam, ou então pergunta o meu amigo imaginário se vocês não tiverem vontade de perguntar: e qual é o teu problema com os Oscars? Absolutamente nenhum, porque não lhes reconheço a mínima autoridade para avaliar seja o que for no mundo da arte de fazer cinema. Mas, se calhar, só para fins recreativos, vou reconstruir a minha experiência dos últimos Oscars. Em primeiro quero só dizer que como já tinha em perspectiva vir a falar disto e, como queria ver este acontecimento no seu pleno esplendor, comecei por ver aquilo que traduzido directamente do inglês se denomina “o tapete vermelho” num canal perdido algures e do qual já não me lembro do nome.

Então havia um gajo de cabelo em pé, que entrevistava uns tipos que aparecem nuns filmes quaisquer, uma anã e uma gaja maquilhada de vermelho que comentam o que as pessoas vestem. Pessoas estas subqualificadas para sem-abrigo. Desfilam então as senhoras e os senhores que muito entretêm o povo e por isso lhes devemos tanto. Como eu gosto de os ver falar, parece que não mas são pessoas que ainda têm muito que dizer e não só sobre o que vestem mas também para brincar com o apresentador e dizerem que estão muito excitadas (talvez a ordem em que disse isto não seja a mais indicada). Alguns destes personagens ainda, e veja-se a ousadia, dizem olá à anã (pensando certamente que ela era patrocinada pelo “Make a Wish Foundation”, sempre generosos estes homens de bem). Uns poucos deles não fizeram nenhum filme este ano, mas já são conhecidos pela sua boa obra de entretenimento (familiar ou não). Aparece o Steven Spielberg, enjoo e mudo de canal. Agora era a vez da TVI e dos seus eruditos comentadores. Um pouco mais de pessoas numa carpete e uma mulher preta maquilhada de laranja. O Steven Spielberg outra vez, aqui fechei os olhos e disse três vezes o nome dele ao contrário para o fazer desaparecer. A mulher laranja disse ao Inglês que ia apresentar os filmes que a cerimónia estava quase a começar, pois bem, fiquei mais descansado, “a pior parte já acabou” disse eu de mim para mim. De erros está feita a vida ou dito similar. Desfilam as piadas quase politicamente incorrectas, dão estátuas pequenas e douradas a algumas pessoas, elas agradecem, mais ou menos entusiasmadas, num tempo limite. Vim aos poucos a descobrir o quão brincalhões são estes homens. Além de todas as categorias terem a palavra “melhor” por trás, dão prémios a coisas como maquilhagem e edição de som e ainda mistura de som e sabendo que entre os membros da academia (que são afinal as pessoas que escolhem) estão personagens tão intelectualmente dotadas como Will Smith e Bruce Springsteen, sobre os quais me custa acreditar que sabem o que são ou que sequer as consigam distinguir, só me apetece abrir uma categoria chamada “melhor maior idiota que acha que escolhe o que de melhor se fez no cinema no último ano” ou alguma coisa mais curta. Pelo meio ainda houve um velho engraçado, uma rapariga que quando a vejo num filme (nua ou não) fujo, um travesti que mais mão menos mão já o vi em qualquer lado, actores (muitos… e diga-se que também foi uma experiência muito educativa, fiquei a saber o nome de muitos deles), directores e depois o resto-lho como escritores de guiões, produtores, tipos que fazem música (que têm muita sorte de os deixarem entrar e estar no meio de tais personalidades)… E parece que me esqueci de algo. Parece que premiavam filmes por lá, mas não fiquem espantados, muita gente gostava de ter um careca amarelo em miniatura em casa. Não me parece é que sejam grande indicativo de qualidade. Mas para isso tinha de falar dos filmes e não sei se está bem no espírito da noite falar deles ou continuar a fazer umas graçolas.

Bem, vou fazer uma curta adenda aos filmes. Primeiro queria manifestar a minha vontade de dar uma bofetada a quem escolheu a melhor mistura de som e melhor edição de som e elogiar todos os membros da academia que em esforço hercúleo conseguiram diferenciar as categorias. Para mim, e não sei se para mais alguém, o bom uso do som é também o bom uso do silêncio e Inception era um filme que não tinha um único momento de silêncio, era sempre saturado de uma banda sonora com excessivos violinos e vibratos nos supostos silêncios. Este filme não se calava um único segundo e é esta a melhor edição de som? Uma bela alternativa a Hollywood, não andam aos tiros na vida real, só o fazem em sonhos.

Em segundo queria falar dos dois concorrentes principais: “The King’s Speech” e “The Social Network”. Vi os dois com pouca vontade, mas para quem já viu a Pocahontas versão azul (“Avatar” para os mais esquecidos), qualquer coisa é visionável. “The Social Network” é um pequeno filme que se anuncia como algo novo e que quer quebra os cânones do cinema de Hollywood e se é preciso tão pouco para o fazer vou ali mas nem sequer volto. Não é um filme que eu chame de muito mau, mas tem tudo aquilo que me incomoda. Tem um cliché sobre um génio (têm todos de parecer autistas anti-sociais), que consegue fazer tudo com um computador, só faltava o gajo infiltrar-se no sistema informático de pentágono e começar a mandar uns mísseis (ele pode ser muito esperto mas de certeza que era um pouco mais lento a fazer certas coisas). Uma história que tenta representar um geração mas só consegue perpetuar preconceitos sobre ela, porque toda a nossa geração é devassa, especialmente as mulheres que agora se despem em todo o lado menos o quarto, sexo e drogas e pena não ter ouvido Rock’n’Roll (parecia a certos momentos um filme feito por uma pessoa idosa assustada pelo mundo moderno e os computadores). Foi um filme que eu consegui ver sem o odiar e que parecia ter intenções dizer muita coisa, mas deixou-me completamente indiferente no fim. “The King’s Speech” é doloroso de ver, muito doloroso. É uma epidemia daquilo que eu acho que está errado no cinema e como não me quero repetir é apenas isto que vou dizer.

Depois havia ainda o Black Swan, que era a tentativa hollywoodesca de fazer um filme conceptual. Mas com medo de as pessoas não perceberem o filme puseram um tipo a contar a história do “Lago dos Cisnes” sem grandes artifícios de argumento. Era um filme que poderia funcionar se fosse a preto e branco (a parte da discoteca podia ser a cores mas monocromáticas), mudo e durasse meia hora.

Havia lá filmes que não eram maus de todo. Havia lá até a pérola de Inãrritu (mas não a vou querer misturar com estes). Mesmo assim parece-me um insulto a academia achar que esta a fazer um grande favor ao filme só por estar nomeado a duas categorias e ser falado em espanhol. Havia “127 Hours” que é um filme bem conseguido, mas que para mim sobrevive apenas do fim, e o fim só é o que é por causa da música dos Sigur Rós (acho que se este filme tivesse ganho um Óscar devia ir para eles), se bem que Boyle exagerou o bastante com a cena em que o maneta está a nadar, já percebi ele está livre da pedra para sempre e finalmente pode viver a sua vida como nunca a viveu mas sempre a quis viver, que grande lição de vida. Havia também “The Fighter” que está filmado com um bom estilo, boas interpretações, bastante cru e com uma boa camada de ironia e que eu tive muita esperança que não acabasse numa cena de luta apoteótica. Acabou por se tornar numa versão intelectual do “Rocky”.


Sei que ainda faltam alguns filmes e com pena minha ainda não consegui ver o “True Grit” ou o “Blue Valentine” e não posso falar deles, mas o que eu quero dizer é que mesmo estes filmes, que eram uma suposta alternativa cinéfila não passam de estar entre o medíocre e o razoável. E é isto que para mim representam os Oscars, um bando de personagens que acha que percebe de cinema e que tem sorte quando premeia algo que consegue chegar à categoria de medíocre e chamar-lhe “melhor”.

PS: Mas quem são estes idiotas para separar melhor filme de melhor filme estrangeiro (e entenda-se estrangeiro por filmes que não estão em língua inglesa)? Será que por acaso acham que algo que não seja feito por lá não consegue chegar ao seu nível? É apenas um segredo que não gosto de confiar a muitas pessoa mas eu acho que é ao contrário.


Axel Ferreira

8 comentários:

Sam disse...

Caro Axel,

Apenas tenho a dizer que, independentemente do seu conteúdo, considero o texto bastante vago para as conclusões a que chega.

Mas eu sei (e como!) que gostos são o aspecto mais subjectivo de cada ser humano...

Já agora, e respondendo à pequena "provocação" exposta no grupo do Facebook, reitero que não considero como negativo a estética "videoclip/commercial" existente em muitos filmes produzidos na nossa época. Porque será essa mesma estética que, daqui a 20 anos (se, esperemos, ainda existir Cinema), muitos discutirão favoravelmente e até vangloriarão.

Tenho batido muito nesta tecla quando um debate toca nestes pontos: foi, é e será sempre uma questão de contextos temporais.

Cumps cinéfilos e obrigado pela oportunidade de partilharmos ideias.

Axel disse...

Muito rapidamente, o ponto que eu queria fazer era que a cerimónia era uma farsa porque dava prémios a filmes maus. Só se explicasse melhor porque acho que são maus, mais foi uma lista de qualidades que já forneci em textos anteriores. A premissa é simples, não percebo como pode ser vago, até porque está bastante directo.

Em segundo ponto não sei o que é uma estética comercial e gostava de uma explicação. Comercial sempre houve, os filmes que querem ganhar dinheiro sempre foram comercias. Conheço o Kitsch a Pop Art e até o movimento começado pelo Andy Warhol mas isso não.

E se é isso que vai ficar tenho pena das gerações futuras. Mas estou completamente convencido do contrário. Toda a gente já se esqueceu dos filmes comerciais dos tempos antigos, até porque quem os vê prefere, geralmente, os novos, mas ainda há muita gente a ver os bons filmes antigos a preto e branco e cheios de grão.

Sam disse...

Sobre o primeiro ponto, fica desde já prometido que irei reler os teus textos anteriores.

No segundo ponto, não me referia a comercial no sentido de vender sem qualquer conteúdo. Falava dos aspectos formais (fotografia, montagem, som, etc.) que um filme vai beber ao espírito da sua época. Se o Cinema fosse sempre como o "de antigamente", nunca teriam surgido movimentos como o Neo-Realismo Italiano, a Nouvelle Vague ou o Novo Cinema Alemão. Os quais também foram considerados como "menores" ou "controversos" para as suas eras...

Por fim, e não querendo parecer insistente no argumento do contexto temporal, aconselho a leitura do artigo «Génération 90», na edição de Fevereiro da Cahiers du Cinema, decerto uma publicação muito a teu gosto. Ou como uma revista, sempre chamada de elitista, constata que a Sétima Arte, felizmente, acompanha os tempos em que é produzida. Também os cinéfilos o deveriam fazer.

Cumps cinéfilos.

P.S.: eu também prefiro a película ao digital, mas parece que, hoje em dia, para vermos os filmes a preto e branco só mesmo em DVD. Ou em Cinematecas, mas nem todos as localidades podem dar-se ao "luxo" de ter uma...

Axel disse...

Fiquei confuso com o comentário. O raciocínio também não deve ser o melhor. Eu não disse que só havia filmes bons antigos e não os havia modernos. Eu não disse que preferia película ao DVD. Eu não disse que os tempos não deviam mudar. Eu de certeza que nunca disse que o cinema não devia acompanhar o seu tempo. Aliás tenho bastante certeza de estar a referir-me ao cinema comercial e como isso não representava o cinema e a estética actual. Se quiseres um filme que repita até ao infinito o que já foi feito tens o que é comercial. Mas estou mesmo confuso sobre o ponto que querias fazer, porque depois falas em filmes obscuros que perduram que foi o que eu disse que perdurava em vez do comercial que sempre existiu e vai sendo sempre muito igual mas que tu disses-te que era a estética que ia ficar. Ok, agora estou mesmo confuso. Mas com certeza que é apenas uma confusão de conceitos porque a obcessão de certos artistas com o comercial e o pop já é tão antiga como os neo, novo e nouvelle. Vou ver o que consigo encontrar desse número específico da Cahiers du Cinema...

Sam disse...

Confuso fiquei eu com a tua confusão... :)

Temos pontos de vista díspares. Ainda bem. O mundo seria um lugar terrível se todos pensassem da mesma forma.

Iris Filipa disse...

eu ia de facto dizer algo...mas depois desisti...oh Axel, enfim rapaz...

Axel disse...

Vá, mesmo assim, eu preferia um comentário com alguma subtância por muito contra que estivesse rapariga.
Obrigado por leres

Anónimo disse...

Eu depois quando estiver presencialmente contigo comento tudo como deve ser..pra já fico-me por aqui..

Até breve
cumps*

Iris Filipa