Dial P for Popcorn: THE GIRL WITH THE DRAGON TATTOO (2009)

segunda-feira, 23 de agosto de 2010

THE GIRL WITH THE DRAGON TATTOO (2009)


Começo por vos dizer que não li o livro de Stieg Larsson. Não vos vou fazer uma crítica baseada na comparação Livro/Filme e como tal não irei retirar mérito ao filme só porque não tem esta ou aquela parte do filme (que, pelo que sei, inclui algumas partes do segundo livro).

The Girl with the Dragon Tattoo é um filme retirado do best-seller de Stieg Larsson que tem feito as delícias de muitos leitores pelo mundo fora. É um filme que com um argumento (A-) assim, na minha opinião, só um péssimo realizador conseguiria transformar num mau filme.


Mikael Blomkvist é um jornalista de investigação sueco que acaba de ser condenado à prisão devido a uma cilada para a qual foi arrastado depois de tentar descobrir a verdade por detrás dos obscuros negócios do empresário Wennerström. Uma vez que só começará a cumprir a sua pena passado 6 meses, Mikael é contactado por Dirch Frode, advogado de Henrik Vanger pertecente a uma familia empresarial da Suécia. A Mikael é pedido que consiga descobrir um mistério com mais de 40 anos: quem matou Harriet Vanger, uma jovem sobrinha de Henrik que desapareceu subitamente na década de 60.


À medida que se envolve na investigação, Mikael começa a perceber que se encontra num beco sem saída, não conseguindo desvendar um conjunto de códigos que encontra perdidos nos livros. É aí que entra Lisbeth Salander, uma misteriosa hacker que segue todos os movimentos de Mikael e que acaba por se revelar e ajudar Mikael na investigação.

Um belo policial, cheio de suspense e descobertas surpreendentes, que embora longo (152 minutos) nos garante um bom entretenimento. Destaque para a prestração de Noomi Rapace, no papel de Lisbeth Salander com um bom papel (B+).




Nota final: B+

Trailer:


Informações Adicionais:
Realização: Niels Arden Oplev
Argumento: Livro de Stieg Larsson adaptado por Niels Arden Oplev
Duração: 152 minutos
Ano: 2009

5 comentários:

Tiago Ramos disse...

É um thriller negro e soberbo nos detalhes, muito forte, gráfico como os thrillers americanos não conseguem ser. Noomi Rapace tem o desempenho de uma vida e dava-lhe já uma nomeação para o Óscar!

João Samuel Neves disse...

Talvez o sucesso de stieg larsson lhe possa valer essa nomeação. Quanto ao resto, os oscars não foram feitos para gente fora da américa por isso essa nomeação deve falhar. No entanto, é uma bela prestação por parte da Noomi Rapace.

Ainda não vi as sequelas, mas ao que parece estão mais fracas.

Obrigado pelo comentário!

Jorge Rodrigues disse...

Olha eu gostei do filme, mas não o considero tão forte como o pintam.

Noomi Rapace foi um casting 100% acertado e parece que o agente dela anda à caça de publicitários para uma campanha a Óscar mas isso não vai acontecer.

É 99,9% impossível. E não tem propriamente a ver com ser de fora da América (Samm, 60% dos vencedores de Óscar nas categorias de actor desta década não são americanos! Basta veres 2007 que são todos estrangeiros e 2008 que só Sean Penn é americano).

Tem é a ver com o facto de ser um filme fora do estilo que a Academia costuma premiar, com o facto de ser uma interpretação bastante peculiar, de ser uma actriz quase desconhecida e, o argumento principal...

O de estar em concorrência com:

- veteranas que ainda não ganharam um Óscar (MOORE, BENING, WATTS, LANE)
- veteranas que a Academia gosta e que já venceram (ZELLWEGER, SWANK, MIRREN, WITHERSPOON, WEISZ, SWINTON, KIDMAN)
- novatas que a Academia já nomeou (MULLIGAN, PORTMAN, WILLIAMS, HATHAWAY, KNIGHTLEY)
- novatas que têm ganho IMENSO buzz nos circuitos de festivais (LAWRENCE, PINTO)
- veteranas respeitadas em career-best work (HAWKINS, MANVILLE, WRIGHT, ABASS)


Logo... é impossível. Eu explico isto melhor daqui a dias quando actualizar as minhas previsões.

E Tiago, obrigado pelos comentários.

DiogoF. disse...

Gostei muito do filme, surpreendeu. Também não o acho tão brilhante como dizem, mas está muito bom.

Acho uma pena a adaptação americana que vão fazer, porque é o americano que o público vai ver.

Quanto à Naomi, perfeito.

Jorge, anseio por essas tuas previsões (análises sobre actores e actrizes é contigo !)

Jorge Rodrigues disse...

@DiogoF., talvez não. Isto porque o filme está a ter bastante mercado nos EUA, o que até me está a surpreender. É mesmo devido ao estilo de filme.

Mas eu percebo o que queres dizer. Dois exemplos que me enervam sobejamente: BRODRE (2005), um filme fabuloso, virou BROTHERS (2009) pela mão de Jim Sheridan e foi um fracasso (pequeno, mas fracasso à mesma). LET THE RIGHT ONE IN (2008), um dos melhores filmes de 2008, virou LET ME IN (2010) este ano. Alguém que explique o sentido destes remakes com filmes tão recentes e infinitamente superiores (bem do LET ME IN não sei mas acho impossível que seja melhor que o antecessor).

E foste muito generoso nesse elogio acerca das previsões... Muito obrigado :)


Abraço e obrigado pelos comentários,

Jorge Rodrigues