Dial P for Popcorn: Revisão da Década: Melhores Bandas Sonoras (Parte 2)

quinta-feira, 5 de agosto de 2010

Revisão da Década: Melhores Bandas Sonoras (Parte 2)

E cá temos então a Parte 2 (do #12 ao #1):

12. Gustavo Santaolalla, "Brokeback Mountain" (também por "Los Diarios de Motocicleta")


Continuo a achar inacreditável como Santaolalla deixou uma impressão tão marcada no panorama musical do cinema em tão pouco tempo (bastou 2004-2006). O compositor alia o evocativo, o exótico, o sonoro, o estonteante com a pacatez, a paz, a subtileza e o contemplativo tão bem que não é difícil de perceber como conseguiu 2 nomeações e 2 vitórias nos Óscares.




11. Thomas Newman, "Wall-E" (também por "Angels in America")



É um deleitoso prazer ouvir esta banda sonora, porque é essencialmente Thomas Newman a divertir-se, coisa que não fazia desde provavelmente "American Beauty" (como é possível não ter ganho este Óscar?) Mantenho a minha opinião: "Define Dancing" é das melhores peças musicais não só da década, como de sempre. E há que juntar aqui um bónus: este é também o homem que compôs a música para "Angels in America", o mini-filme da HBO com enorme sucesso, baseado nas peças de Tony Kutchner. Angelical.




10. Jon Brion, "Eternal Sunshine of the Spotless Mind"


Não sei porque mas consigo mais facilmente associar esta banda sonora a um filme da Pixar do que à obra-prima de Michael Gondry. Possivelmente porque estas músicas, se ouvidas fora de contexto, parecem estar como pano de fundo da minha infância (certamente este sentimento ser-vos-á familiar; ouçam-na de olhos fechados e comprovem). Mas é de facto a este filme sobre uma trágica história de amor que ela pertence. E consegue fazer o impensável: fornecer-nos mais informações ainda que o belíssimo argumento de Kaufman. A música preenche-nos o subconsciente enquanto vemos o filme, fazendo com que a dada altura do filme as personagens nos pareçam tão familiares que sentimos com elas o que elas sentem. Ela faz-nos importar com eles. Mágica.




9. Michael Giacchino, "Up!" (também por "Ratatouille")


Qualquer uma das duas é extraordinária. Mas eu tinha que mencionar primeiro "Up!" porque o trecho "Married Life" e a cena no qual ele está inserido é das melhores cenas do cinema desta década. Tão frágil mas forte é a restante banda sonora que claramente merece menção aqui tão alto. E a banda sonora de "Ratatouille", tão parisiense, tão chique, tão sofisticada, tão diferente da de "Up!", realmente, também merece o seu devido destaque.




8. Michael Galasso, "In The Mood For Love"


Romântica, encantadora, evocativa e sedutora, a banda sonora criada por Galasso com valsas e solos de piano e violino prodigiosos, é vertiginosa, magnífica, simplesmente linda.




7. Dario Marianelli, "Atonement"


O ano de 2007 é justamente o ano com melhor música desta década, na minha opinião (como se verá, terei mais duas bandas sonoras deste ano acima desta) mas foi esta a escolha da Academia na hora de entregar o prémio. Dario Marianelli criou uma obra-prima que arrepia, que nos hipnotiza, que nos prende ao ecrã em cada momento, para assistir à queda do amor clássico de Robbie e Cecillia e ao profundo sofrimento interior de Briony. Espectacular.




6. Clint Mansell, "Requiem for a Dream"


Contém o tema mais utilizado de todos os tempos pelos mídia e pelas artes, mas mesmo assim a banda sonora de Mansell, francamente inventiva, para o clássico de Aronofsky é muito mais que isso. Minimalista e subtil, é certo, mas surpreendente e perturbante ao mesmo tempo. Fantástica.


5. Yann Tiersen, "Le Fabuleux Destin d'Amélie"


Se há banda sonora que mais me faça sonhar, ainda não encontrei. A proclamação de amor que a banda sonora de "Amélie" faz ao mundo é o perfeito par para o filme fabuloso de Jeunet, pois é leve, doce, graciosa, aérea, jubilante. Captura a magia de Paris e em simultâneo explora simultaneamente a dor de um coração partido e o idílico início de um amor.


4. Hans Zimmer e James Newton Howard, "The Dark Knight"


Esta banda sonora arrasta-se até muito depois do filme acabar. Persegue-nos. É provocadora, sombria, assustadora, complexa, explosiva. Sobe e desce nos momentos certos e estimula os nossos sentidos para o que estamos a experienciar na tela. Parece mesmo que enquanto no ecrã, perante os nosso próprios olhos, a interpretação magistral de Heath Ledger/The Joker espalhava anarquia no mundo de Gotham, Zimmer e Newton Howard faziam o mesmo perante os nossos ouvidos.


3. Alexandre Desplat, "Birth"


Já sei que falei dele mais abaixo, mas esta banda sonora dele é tão irrepreensivelmente perfeita que tinha de ser mencionada só por si. Elegante, vibrante, comovente, transcendente diria até, alia os temas do filme (morte e renascimento) de forma tão imaculadamente perfeita que não dá como não cedermos a esta banda sonora.

2. Jonny Greenwood, "There Will Be Blood"

Intemporal. É como vai ser considerado dentro de alguns anos este filme e a banda sonora que o acompanha. Jonny Greenwood, guitarrista dos Radiohead, realizou um trabalho portentoso, singular, inspirado, cheio de qualidade e providenciou um excelente acompanhamento para a trama muito low-brow e delicada que é "There Will Be Blood". Não há momento em que eu pense do filme que não me lembre do som da faixa "Future Markets".




1. Nick Cave e Warren Ellis, "The Assassination of Jesse James by the Coward Robert Ford"


Inventiva, dolorosa, inolvidável, petrificante, de cortar a respiração. A banda sonora de Cave e Ellis para este filmeé um portento de subcontexto, pois reflecte tanta profundidade de sentimento e provoca tal emanação de estados emotivos que é impossível compreender toda a sua complexidade numa só audição. Requer múltiplas audições para apreciar cada som, cada batida, cada instrumento. Toca-nos no coração. Uma elegia, um triste lamento, uma última canção antes de perecer.



5 comentários:

João Samuel Neves disse...

Jorge, brilhante trabalho de pesquisa e selecção! Infelizmente nunca vi o filme que colocaste em 1.º lugar, mas quanto à 2.ª posição, estamos falados... ;D

Dora disse...

Adorei o teu blog! Vou seguir a partir de agora.
Parabéns!

Joana Vaz disse...

Que bandas sonoras...:D

Também ainda nao vi "The Assassination of Jesse James by the Coward Robert Ford", mas adorei essas duas músicas. São um incentivo para ver o filme.;)

Gosto muito de todas elas, com excepção do segundo lugar, provavelmente porque implico com o filme.

Roberto F. A. Simões disse...

Ah, temos imensos gostos em comum. Das tuas escolhas destacaria: JESSE JAMES, AMÉLIE, ATONEMENT, REQUIEM e DISPONÍVEL PARA AMAR.

Cumps.
Roberto Simões
» CINEROAD - A Estrada do Cinema «

Anónimo disse...

hi, new to the site, thanks.