Dial P for Popcorn: YOU, THE LIVING / DU LEVANDE (2007)

quarta-feira, 11 de agosto de 2010

YOU, THE LIVING / DU LEVANDE (2007)


É um filme mesmo estranho.
Recomendo-o se estiverem numa boa fase da vossa vida, longe das depressões e dos dramas. É um filme que nos retrata aquilo em que a sociedade actual transformou a grande maioria das pessoas. O desespero para o qual somos tentados diariamente. A mecânica dos dias, vivida em função das horas, do emprego, das compras, das contas, do corre-corre, do trânsito, do desemprego, da crise.
É um filme que nos deprime. No entanto, não é só uma drama. Tem uma pitada de comédia negra (depende muito do ponto de vista como vemos o filme) que nos faz "rir de nós próprios".



Du Levande é um filme que reúne um conjunto de short stories (algumas com ligações entre si), que representam os diversos problemas que afligem a sociedade nos dias hoje.
Frequentemente se pode ouvir a frase "Ninguém me compreende". O grito de desespero de quem sente que a sua existência não tem valor, sentido ou propósito.
Du Levande, filme que se mostrou ao mundo na edição de 2007 do Festival de Cannes é uma das películas mais estranhas que já vi. E que fica connosco depois de desligarmos o televisor.



Quanto à realização, uma curiosidade que pode afastar alguns espectadores: Cada cena é filmada com uma única câmara e que assume sempre a mesma posição. Confesso que a ideia, por vezes, tornou o filme um pouco monótono.

Por fim, deixo-vos aqui este pequeno texto, retirado de uma cena em que um Psiquiatra se lamenta do emprego e dos pacientes que tem. Considero-o um óptimo resumo daquilo que é a ideia deste filme:
"I am a psychiatrist. I have been for 27 years. I'm completely worn out. Year after year, listening to patients who aren't satisfied with their lives, who want to have fun, who want me to help them with that - it wears you out, I can tell you. My life isn't exactly a lot of fun either. People demand so much. That's the conclusion I've drawn after all these years. They demand to be happy, at the same time as they are egocentric, selfish, and ungenerous. Well, I would like to be honest. I would like to say that they are quite simply mean, most of them. Spending hour after hour in therapy, trying to make a mean person happy... There's no point. You can't do it. I've stopped doing it. These days, I just prescribe pills. The stronger, the better."

Nota Final: B-

Trailer:

Informações Adicionais:
Realização: Roy Andersson
Argumento: Roy Andersson
Duração: 95 minutos
Ano: 2007

5 comentários:

Jorge Rodrigues disse...

Andas mesmo dedicado ao cinema estrangeiro ;)

Parece-me bem.

Jorge Rodrigues disse...

Pá e tens de começar a meter as etiquetas tu! ;)

Jorge Rodrigues disse...

Mas de resto, uma excelente crítica ;)

João Samuel Neves disse...

Como se colocam? :P Eu percebo ainda pouco do blogspot. Mas nos videos do youtube ja nao falho! :P

Jorge Rodrigues disse...

Pois, já vi que sim :D

Na caixinha em baixo, acima dos botões de Publicar e Pré-Visualizar.

Vês as opções e adicionas de acordo ;)